Como escrever um bom essay e se destacar | Foto: Mendhak, via Flickr
Como escrever um bom essay e se destacar | Foto: Mendhak, via Flickr
Parte essencial do processo de candidatura, um essay bem escrito mostra quem você, como pensa e porque é um bom candidato para aquela universidade. Confira!

Escrever bem é um desafio. Especialmente quando temos que limitar o número de caracteres ou palavras em nossa narrativa. Mas a prática pode levar a um texto melhor, mais conciso, interessante e direto ao ponto, sem tirar sua personalidade, é claro.

O essay, personal statement ou carta de motivação é o momento em que você se apresenta à instituição de ensino para a qual está se candidatando. É um texto chave porque é ali que você se mostra aos seus avaliadores. Exercício difícil – porque é duro falar de si mesmo de uma forma honesta, criativa e impactante – o essay é um momento de fazer uma reflexão pessoal, um convite ao autoconhecimento. Nele você vai explicar de onde veio, quem é, porque quer estudar naquela universidade, qual é o seu diferencial, o que tem a oferecer, e como o que vai aprender ali poderá mudar a sua jornada pessoal e profissional.

Algumas universidades pedem para você fazer o essay em um texto livre. Outras o solicitam através de perguntas objetivas ou textos curtos. Apesar da variedade de formatos, o que as instituições buscam é conhecer você melhor. Assim sendo, sua capacidade de comunicação se torna uma ferramenta essencial.

Então, antes de começar a escrever, imagine que você está sendo entrevistado por alguém que quer te conhecer bem e, em poucas palavras, quer compreender porque você é um excelente candidato para aquela instituição de ensino. Em linhas gerais:

  1. Leve as instruções muito a sério

Se a universidade pede que você se limite a um certo número de palavras ou que inclua em seu texto um conteúdo específico, siga as instruções. Prepare um esboço do que vai escrever pautado no que é solicitado. Regras não impossibilitam a criatividade e uma boa comunicação. Ambas acontecem naturalmente na fluência de um conteúdo bem organizado.

  1. Envolva o leitor desde o começo

Lembre-se que vai contar uma história na qual você é o personagem principal. Então pense na sua trajetória antes de escrever. Esta é uma excelente oportunidade excelente para exercitar o autoconhecimento. Conte sua história sem usar clichés ou frases feitas. Não repita o que outras pessoas já disseram, apresente a sua trajetória. Seja honesto no relato, diga quem é e de onde veio de forma singular e original. Provoque o interesse do seu leitor.

  1. Fale sobre os impactos e mudanças gerados por suas experiências

Escreva sobre as suas vivências acadêmicas e profissionais sem repetir o seu currículo. Fale sobre os impactos que elas produziram em sua vida, que diferenciais tiveram e que mudanças provocaram em você. Como cresceu com elas, o que aproveitou dessas experiências? Quais foram os aprendizados? Não tenha medo de revelar um aspecto mais frágil, especialmente se ele representar um desafio que você já venceu ou que está disposto a vencer.

  1. Use exemplos que façam sentido e que sejam palpáveis

Você não é a super-mulher ou o super-homem, então conte coisas que realmente faz ou fez. Não aumente as histórias, nem amplie demais o escopo das suas habilidades. De novo, seja honesto, porque se for chamado para uma entrevista, precisará sustentar o que disse previamente.

  1. Estude atentamente o programa para o qual está se candidatando

Em seu relato, você terá que explicar porque quer estudar naquela instituição. Portanto, leia atentamente o conteúdo do programa. Saiba quem são os professores, qual é a metodologia de ensino e qual é o diferencial daquela universidade. O que ela oferece aos alunos além da sala de aula? Não copie frases do site, crie uma relação desse conteúdo com sua trajetória atual e futura. Mostre como e porque essa oportunidade vai fazer uma diferença real na sua vida.

  1. Qual será sua contribuição?

Contribuir é sinônimo de colaborar, participar, coadjuvar. As universidades querem saber o que você tem a oferecer ao programa, aos seus futuros colegas e à área de estudo na qual quer se especializar. Também querem saber como vai aplicar o conhecimento adquirido durante o curso e quem vai se beneficiar com isso. Afinal, uma pessoa com boa formação acadêmica e profissional pode impactar muitas pessoas.

  1. Peça a alguém para ser seu leitor crítico

Não tenha vergonha de pedir para pelo menos duas pessoas, capazes de fazer uma leitura crítica e imparcial, avaliarem seu essay. Analise o que elas disserem a você e, a partir daí, melhore a escolha de palavras e a fluidez da sua narrativa. Escreva seu essay com tempo para fazer uma ou mais releituras e refazer o que for necessário. De um modo geral, o preparo do essay leva muitas horas. Lembre-se, você está contando a sua história. Então esteja aberto a críticas e corrija o que for necessário para poder fazer isso da melhor forma possível.

Andrea Tissenbaum, a Tissen, escreve sobre estudar fora e a experiência internacional. Também oferece assessoria em educação e carreiras internacionais.
Entre em contato: tissen@uol.com.br

Siga o Blog da Tissen no FacebookTwitter Instagram. 

Compartilhe

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here