Compartilhe
Trinity College, Irlanda | Foto: Rafa Esteve, via Wikimedia Commons
Trinity College, Irlanda | Foto: Rafa Esteve, via Wikimedia Commons
Ensino superior da Irlanda está entre os melhores do mundo e oferece vantagens a estudantes internacionais. Já pensou nesta possibilidade?

País lindo, com excelentes opções para quem deseja aprender inglês ou fazer um curso superior, a Irlanda oferece condições especiais a estudantes internacionais. É que as regras do visto permitem que estudantes trabalhem 20 horas semanais durante seu curso ou 40 horas nas férias.

Além disso, o programa de visto irlandês Stayback, permite que alunos internacionais que completam um curso de graduação no país trabalhem por lá durante um ano após concluírem seus estudos. Para os estudantes de mestrado ou doutorados, a duração da estadia após a conclusão do curso aumenta para dois anos. Uma excelente oportunidade para entrar no mercado de trabalho em suas áreas de atuação e experimentar uma carreira internacional!

Península de Dingle, Irlanda: Foto: Cord Cardinal, via Flickr
Península de Dingle, Irlanda: Foto: Cord Cardinal, via Flickr

Um dos países mais amigáveis e seguros do mundo, a Irlanda tem um sistema educacional exemplar. Desde o final da década de 60, o governo investe fortemente na educação e os resultados dessa aposta renderam ao país uma mudança radical de cenário. Atualmente, mais de 50% dos jovens irlandeses que terminam o ensino médio seguem seus estudos nas universidades. A taxa de desemprego no país não chega a 5% e a Irlanda atrai profissionais de várias partes do mundo. Quase 30% da mão de obra nas companhias internacionais é composta de estrangeiros.

A presença dos brasileiros hoje faz parte do cotidiano do país. Sem dúvida nenhuma, o programa Ciência sem Fronteiras estimulou muito a ida dos nossos estudantes para a Irlanda, que sempre se integraram bem ao cotidiano local.

Este é o caso de Lislaine Oliveira e Hóttmar Loch, brasileiros que recentemente estudaram na Irlanda por períodos mais prolongados.

Lislaine Oliveira no campus da University College Cork, na Irlanda : Foto: Lislaine Oliveira

Lislaine é de Santos e é bacharel em tradução e interpretação pela Unibero. Bolsista Erasmus Mundus, fez seu mestrado em Relações Internacionais na University College Cork. “A experiência foi incrível. Eu tinha um certo medo de estudar no exterior, esta era a primeira vez que eu viajava sozinha. Mas recebi um suporte imenso de meus colegas e da universidade desde o primeiro dia e me acostumei rapidamente com o cotidiano. Foi impressionante perceber como amadureci em um ano. Para mim essa oportunidade era também um desafio pessoal. Eu sempre fui muito tímida, então estudar no exterior significava mudar minha forma de ser. Eu tinha que fazer novas amizades e me virar mesmo, tomar conta de mim. Experimentei o sentido da frase que diz que a vida começa no final da nossa zona de conforto. Foi muito bacana perceber as mudanças. Voltei como representante da University College Cork no Brasil, uma conquista maravilhosa”, ela conta.

Aluno de arquitetura da Unisul, em Florianópolis, Santa Catarina, Hóttmar fez um intercâmbio de um ano e três meses pelo programa Ciência sem Fronteiras na University of Limerick. “Foi uma experiência sensacional porque eu queria viver em um pais com uma cultura bem diferente da latina. Aprendi a dizer e receber um não sem comprometer minha relação com as pessoas, bem diferente da experiência que temos aqui no Brasil, onde negativas são normalmente levadas para o lado pessoal. Tive a chance de participar de um laboratório de fabricação digital e o projeto do qual fiz parte foi premiado entre os melhores do mundo.

Projeto de Hóttmar Loch, selecionado entre os 36 melhores do mundo pelo renomado portal de arquitetura ArchDayle
Projeto de Hóttmar Loch, selecionado entre os 36 melhores do mundo pelo renomado portal de arquitetura ArchDayle

Quando voltei me senti responsável por fazer alguma coisa aqui no Brasil, em trazer uma parte do que aprendi na Irlanda para cá. Então consegui promover um FabLab Unisul. O FabLab é uma rede mundial de laboratórios de fabricação digital, com o objetivo de democratizar ferramentas industrializadas de prototipagem rápida. Fizemos uma parceria com Limerick, vinculada ao Massachusetts Institute of Technology – MIT, rede oficial dos FabLabs. Nossa primeira efetivação está acontecendo agora e dois alunos da Unisul vão estudar na Irlanda. Para mim, participar do Ciência sem Fronteiras foi uma oportunidade única de estudar e vivenciar o que estava aprendendo em sala de aula. Viajei para diversos países e pude contemplar obras e lugares que representam o berço de nossa civilização. Para um aluno de arquitetura e urbanismo essa experiência agrega um valor imenso”, explica Hóttmar.

Em um breve vídeo, Hóttmar mostra sua experiência na Irlanda e a intensidade de tudo que vivenciou nos diversos lugares que visitou.

Sete universidades públicas irlandesas estão ranqueadas entre as melhores do mundo, de acordo com o QS World University Rankings 2018. Trinity College, está entre as 100 melhores. Entre as top 400 estão a University College Dublin, National University of Ireland – GalwayUniversity College Cork e Dublin City University. A University of Limerick e Maynooth University, estão entre as 750 melhores.

O Royal College of Surgeons in Ireland (RCSI), a maior escola de medicina do país, está entre as top 500, no QS World University Rankings by Subject. A Irlanda também tem 14 excelentes institutos de tecnologia, algumas universidades privadas e diversas escolas de inglês.

University of Limerick, Irlanda | Foto: William Murphy, via Flickr
University of Limerick, Irlanda | Foto: William Murphy, via Flickr

As instituições de ensino irlandesas oferecem mais de 5 mil programas de graduação e pós-graduação e recebem mais de 200 mil alunos de várias partes do mundo. O programa Government of Ireland Scholarships concede 60 bolsas de estudo anuais. Estudantes brasileiros que participaram do programa Ciências sem Fronteiras em nível de mestrado ou doutorado, podem voltar à Irlanda para estudar por mais um ano com bolsas concedidas por diversas universidades.

Despesas escolares, como matrículas e mensalidades, variam de acordo com o programa, a universidade e a nacionalidade dos estudantes. Para brasileiros, um curso de engenharia custa entre €9.950 e €32.500 por ano, enquanto uma pós-graduação em business varia entre €9.750 e €18.000.

“Nosso país é considerado um dos mais empreendedores e inovadores da Europa”, salienta Barry Tumelty, Cônsul Geral da Irlanda no Brasil. “Por isso, estudar aqui é uma ótima maneira de crescer e atingir objetivos profissionais. Para completar, temos um grande número de empresas globais instaladas em nosso território, que podem incentivar os estudantes a construírem uma carreira na Irlanda”, acrescenta.

Para mais informações sobre estudar na Irlanda, acesse o site www.educationinireland.com.

>> Leia mais: Estudar em Dublin

Andrea Tissenbaum, a Tissen, escreve sobre estudar fora e a experiência internacional. Também oferece assessoria em educação e carreiras internacionais
Entre em contato: tissen@uol.com.br

Siga o Blog da Tissen no FacebookTwitter e Instagram.

Compartilhe

DEIXE UMA RESPOSTA